Já começou a fazer pesquisa com usuários? 1

Já começou a fazer pesquisa com usuários?

02 de janeiro de 2019
 |  Izabel Garcia

Pesquisa com usuários é a onda do momento. O foco em qualidade exige que entendamos melhor o usuário do serviço, a fim de lhe proporcionar a melhor experiência possível. Então, sem mais delongas, vamos conversar um pouco sobre algumas formas de pesquisa:

Pesquisa atitudinal x pesquisa comportamental

Você conhece a diferença entre pesquisa atitudinal e pesquisa comportamental? Na primeira você leva em conta o que a pessoa fala, enquanto na última você analisa o que ela faz. Ao realizar pesquisas com usuários de serviços públicos, percebi que é algo muito frequente haver disparidade entre essas duas vertentes. Às vezes a pessoa leva horas para desempenhar uma ação que deveria levar poucos minutos. Contudo, ao final da entrevista, quando perguntamos o que ela achou da experiência, diz que foi ótimo! Dentre outros motivos, creio que muitas vezes a pessoa tem vergonha de admitir que teve dificuldades, mesmo que isso seja extremamente importante para a melhoria do serviço. Assim, o ideal é combinar esses dois tipos de pesquisa, de forma a ter insights mais abrangentes sobre o assunto.

Eyetracking

Uma técnica que me chamou a atenção foi a de “eyetracking”, na qual se utiliza um aparelho para monitorar onde a pessoa está olhando e formar um mapa de calor. Fui logo pesquisar no Mercado Livre quanto custava uma engenhoca dessas e vi que variava entre uns R$1300 e R$8000. Mas, na maioria dos anúncios, a descrição focava em uso para jogos, então nem sei estava olhando o tipo correto… De qualquer forma, fuxicando mais na internet, li outros artigos falando que esse método não vale tanto a pena. Além do preço do aparelho, os resultados são bem difíceis de interpretar. De acordo com este site, uma analista de usabilidade do UOL afirmou que testes de usabilidade convencionais, ou mesmo o mapa de calor gerado pelo movimento do mouse, davam resultados semelhantes, mas com menor investimento.

Teste A/B

Se você ainda não está realizando nenhum tipo de pesquisa de usabilidade, vale a pena investir em Teste A/B. Trata-se de direcionar parte de seu público para uma das versões que você queira testar, e a outra parte para outra versão. Daí você compara qual dá melhor resultado! Esta técnica é bastante utilizada por empresas como Google e Amazon. Eu, particularmente, fiquei com vontade de experimentar da próxima vez que tiver a oportunidade!

Além disso. há várias outras formas de se conduzir testes de usabilidade. Este artigo aqui lista várias. E aí, que tal começar a fazer pesquisa com usuários?

Posts Relacionados



0 Comentários

Deixe um comentário:

Assine nossa revista


POSTS PUBLICADOS

Agencia Mobidick